Projeto Economia Solidária vai atender 300 famílias de Corguinho em 2015

Acordo firmado entre prefeitura e Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da UFMS vai garantir capacitação e renda aos produtores

Reunião com assentados e o prefeito do município de Corguinho com a equipe da ITCP

Reunião com assentados, prefeito do município de Corguinho e a equipe da ITCP.

A partir de 2015, a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) passa a atender aproximadamente 300 famílias de três assentamentos e uma comunidade quilombola de Corguinho, município distante cerca de 100 quilômetros de Campo Grande. Os assentados vão receber assistência relacionada à economia solidária.

O projeto é uma parceria entre a UFMS e a prefeitura do município. Serão beneficiados os assentamentos Rancho Alegre, PA Corguinho e Torre de Pedra, além da comunidade quilombola Boa Sorte.

Reuniões realizadas entre a coordenadora da incubadora, Mirian Aveiro, o prefeito de Corguinho, Dalton Lima, o secretário municipal de turismo e meio ambiente, Antonio Lopes Santana, e a vice-presidente do Sindicato de Agricultura Familiar da cidade, Silvana Alves, definiram detalhes do projeto.

Para Mirian Aveiro, o interesse dos assentados e o apoio da prefeitura são importantes, pois possibilitam que dificuldades sejam identificadas e superadas. “O diálogo as duas partes oportuniza uma ação coletiva e revela as verdadeiras demandas dos produtores. Possibilita um diagnóstico mais preciso daquilo que as famílias necessitam realmente”, justifica.

O prefeito Dalton Lima elogiou a iniciativa de organização dos assentados para receberem o auxílio do projeto e demonstrou interesse em realizar mais parcerias com a universidade.

Dificuldades para produzir

A proposta de trabalho da incubadora tecnológica foi apresentada aos futuros assistidos no início deste mês. Durante o encontro, foram discutidas principalmente as necessidades daqueles que querem viver do que produzem no campo, mas não encontram assistência.

“Chegam a dizer que somos preguiçosos, mas não falam sobre nossas dificuldades. Falta água, equipamentos, assistência técnica, capacitação. Precisamos de apoio”, disse a assentada Sueli dos Santos.

Vice-presidente do Sindicato de Agricultura Familiar de Corguinho, Silvana Alves

Vice-presidente do Sindicato de Agricultura Familiar de Corguinho, Silvana Alves

A vice-presidente do Sindicato de Agricultura Familiar de Corguinho, Silvana Alves acredita que assistência técnica e o atendimento médico que o projeto oferece vão garantir rendimento financeiro e condições para prosperar nos negócios.

O pró-reitor da UFMS, Valdir Souza, acrescentou que outro ponto importante na parceria é a relação entre a comunidade e a universidade. “A ação não é de mão única, a universidade aprende com o contato com a comunidade também. A UFMS é parceira para o desenvolvimento da agricultura familiar, tanto que estamos estruturando o espaço para a economia solidária”, concluiu.

Texto e fotos: Alline Gois