Comer frutas, verduras e legumes, faz bem?

comer frutas e verduras

Por Rodolfo Portela

Sim, é comprovado que a ingestão de alimentos de origem vegetal é essencial para a manutenção e saúde do nosso corpo. No entanto devemos nos alertar quanto a qualidade dos alimentos oferecidos. Tomate, batata inglesa e morango fazem parte da lista de alimentos contaminados com altas concentrações de químicos tóxicos. Estes químicos tóxicos são responsáveis pelo aumento de algumas doenças como, por exemplo, o câncer.

O quê? Químicos tóxicos nos alimentos?

Sim. Para entender precisamos voltar uma pouco na história. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, os grupos de empresas responsáveis pela produção de material bélico (bombas, armas químicas, tanques, etc.) tiveram que mudar de estratégia para não irem à falência. A solução adotada foi investir na produção de insumos para a agricultura. As indústrias que fabricavam tanques passaram a fabricar tratores, pesquisas voltaram-se para o desenvolvimento de sementes melhoradas geneticamente, entre outras tecnologias.

A indústria química voltou-se para a fabricação de fertilizantes e agrotóxicos. O Estado, por sua vez, ficou com o papel de incentivar os agricultores a aderir a esse novo modelo de agricultura, para isso alguns governos ofereciam linhas de financiamento especiais para a compra desses chamados “pacotes agrícolas”, já outros concediam somente o crédito para agricultores que aderissem a esse modelo agrícola. Esta mudança ficou conhecida como “Revolução Verde”.

Este novo modelo agrícola caracteriza-se por ser totalmente dependente do uso de insumos externos para o desenvolvimento das lavouras. Além dos fertilizantes usados na correção do solo, também são utilizadas altas dosagens de agrotóxicos para o controle de espécies que se tornaram pragas. Esse agrotóxico, que no período de guerra era usado contra os inimigos, agora tornara-se um “defensivo agrícola”.

Anos passaram e descobriu-se que a maioria dos químicos tóxicos responsáveis pela contaminação dos alimentos advém do uso de agroquímicos nas lavouras, e não termina por ai. A produção dos insumos agrícolas, além de ser uma atividade que traz uma série de impactos negativos ao meio, o uso de fertilizantes é eficaz até um determinado momento, mas logo o solo fica degradado e novas áreas agrícolas são abertas avançando sobre as áreas naturais, causando impactos irreversíveis a esses ecossistemas.

No entanto existem maneiras de se produzir alimentos sem o uso de agrotóxicos ou fertilizantes, essa prática é conhecida como agricultura orgânica. Esse sistema de produção baseia-se em princípios naturais para a adubação do solo e no controle de pragas. Devemos ressaltar que nesse modelo agrícola os ataques de insetos, fungos, nematóides, pulgões, etc., não são encarados como ataque de “pragas”, mas sim como um distúrbio que esse sistema está enfrentando. Sendo necessário manejar o meio em busca do equilíbrio ambiental, esse manejo é feito através de técnicas naturais, como: adubos verde, esterco de vaca, restos de culturas e compostos orgânicos, que agem na adubação e correção do solo. Para o controle de pragas são utilizados inseticidas caseiros, a base de fumo, alho e urina de vaca. Esses inseticidas naturais agem como repelentes de insetos e outros seres que ocasionam danos as culturas.

Considera-se também o plantio consorciado de diferentes culturas, essencial o equilíbrio do meio, visto que algumas plantas afastam alguns tipos de isentos, outras sevem como abrigo a predadores naturais. Uma medida fundamental para um bom funcionamento do sistema é a adequação ambiental da propriedade rural, levando em consideração a legislação ambiental brasileira. Resumindo, para ser considerado produto orgânico, toda sua cadeira de produção tem que se basear em princípios ambientalmente corretos, economicamente viáveis e socialmente justos.

Em muitas situações o preço dos produtos orgânicos ainda não é acessível a toda população, devido á oferta ainda ser baixa, outrora pela fala de incentivo a produção familiar de alimentos orgânicos. No entanto, o consumo destes traz inúmeros benefícios à saúde humana. Por isso é uma questão de necessidade apoiar redes de certificação de alimentos orgânicos, a agricultura familiar e a produção local de alimentos orgânicos. Assim será possível propiciar sana qualidade de vida para a população.

Mas enquanto não temos alimentos orgânicos diariamente em nossas mesas, recomenda – se lavar bem frutas, legumes e verduras antes do consumo. Se possível, aconselha-se realizar a higienização desses alimentos com o uso de sabão e esponja. Tomando estas precauções acredita-se que boa parte dos agrotóxicos contidos nos alimentos seja eliminada.

 

Rodolfo Portela é Gestor Ambiental com mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental. É membro do projeto Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da UFMS desde 2014.